29 maio, 2009

eu, por outrem

"É verdade que no princípio senti algumas difilcudades. Apesar de tudo, por que näo? Tentei convencer a mim mesma que tinha encontrado o meu lugar. Mas continuava sendo diferente."

Marjane Satrapi em Persepolis

20 maio, 2009

todo dia ela faz tudo sempre igual

eu devia ter uns 13 anos quando comecei a escrever um dos meus muitos diários (diário näo... agenda. uma pra cada ano). entre coisas como: "hoje eu fui ao shopping", listas de filme, e papel de bombom, ... tinha também aquilo que eu queria ser... as coisas que precisavam mudar.

mas há coisas que nunca mudam. por mais que se queira.

continuo a näo saber o que fazer quando todos os olhares se voltam pra mim. continuo a näo saber fazer amigos. continuo chorando baixinho escondida. continuo com minha mania de organizacäo. continuo a näo saber sobre o que conversar. continuo a me irritar por quase nada. continuo a querer as minhas coisas do meu jeito.

e quase 13 anos depois, continuo a escrever diários... continuo a repetir o mesmos erros... continuo a tentar mudar...

mas há coisas que nunca mudam. por mais que se queira.

18 maio, 2009

diário de bridget jones

Segunda-feira, dia de comecar coisas. 52kg. de volta pro fitness. meio päo com marmelada = 1 ponto. Previsäo para fim de semana: 29°C (biquini?! oh god!). Fechar a boca, já!

"agora é oficial: estou gorda!"

14 maio, 2009

"verdades"

um dia inventaram que "deus existe" e que "toda mulher nasceu pra ser mäe". espalharam esses causos por aí e deu no que deu. agora eu pergunto: o que é que eu tenho com isso?

07 maio, 2009

sobre Recife

Definitivamente eu envelheci.
Minhas coisas preferidas na cidade onde cresci já näo estäo mais lá... e nem falo das coisas da minha infância.

Voltei depois de quase três anos e encontrei a cidade cheia dos mesmos problemas e täo vazia dos cantos que pertenciam a mim.

Tenho apenas 25 anos, mas já posso dizer que no meu tempo eram "outros carnavais". A gente SENTAVA no parafusos pra OUVIR as marchinhas de Seu Malaquias. A gente encontrava lenine no RecBeat lá em OLINDA, sem aperto... VENDO e OUVINDO o show. A quarta-feira de cinzas era um amanhacer quase que sagrado feito reveillon... agora ver o nascer do sol pro trás das esculturas só se for por entre os buraquinhos da cerca de "seguranca".

O meu Salgueiro-choräo, a árvore mais bonita, já näo margeia mais a Lagoa do cavouco... deixaram o mato crescer por lá. por fora e por dentro.

E no telhado da Torre de Malakoff que ninguém sobe mais? Onde já se viu empatar o pôr do sol mais bonito da cidade!

Me lembro uma vez... no meio das minhas tristezas subi na Torre pra olhar o cais... de repente comecou a cair uma chuva colorida de fogos de artifício... bem ali sobre a minha cabeca. Era aniversário da cidade.

Era minha cidade. Era.