30 dezembro, 2011

Retrospectiva 2011

melhores momentos... e o que teve?

... teve mudança de endereço com direito a paredes coloridas, uns metros quadrados a mais, uma varanda ensolarada, e uma vizinhança boa danada!


...  teve belle & sebastian em köln :}




... teve praia, sol, amores... MUITOS AMORES. teve Brasil em 2011!


... teve o meu menino que virou meu noivo


... e tinham pássaros voando


... teve a banda mais bonita da cidade, teve cícero, teve boy e death cab for a cutie pela primeira vez no play and reapeat and repeat again.

.
. .

... e acabou porque de coisa ruim a gente nem fala!

29 dezembro, 2011

for my favorite people

You should see my favorite people,
You catch a glimpse of gold through their skins.
I walk on air whenever I’m with them,
They're where the happiness begins.
And I’m alright on my own, but with them I'm much better
They're like diamonds and diamonds are forever.

They’re taller than giants,

They outshine all the stars
They are the love above the love
They’re my army of fortune,
They win every war
They are the love above the love

They're a boat when I'm underwater

They tame the sharks and they calm the waves
When I choke they pat my back harder
My load is light, my secrets are safe
And I'm alright on my own but with them I’m much better
They're like diamonds and diamonds are forever…

They’re taller than giants,

They outshine all the stars
They are the love above the love
They’re my army of fortune,
They win every war
They are the love above the love

23 dezembro, 2011

winter solstice calender _ day 22 _ merry winter solstice!

durante os últimos cinco anos, os dias de escuridäo que antecedem o solstício de inverno (ou o natal, como queira) foram um pouco mais doces, graças as doses diárias de glicose subvencionadas pelo calendário do advento.
esse ano por pura preguiça e pirangangem incompatibilidade de agenda, näo tem nenhuma portinha pra abrir. o que näo significa que eu näo encontrei outro jeito (menos calórico e mais tosco, diga-se de passagem) de fazer contagem regressiva pra essa escuridäo passar:







11 dezembro, 2011

I can't sleep tonight

Mas não me diga isso. É só hoje e isso passa. Hoje a tristeza não é passageira. E rir das desgraças da vida. E quando chegar a noite, Cada estrela parecerá uma lágrima. Vem de repente um anjo triste perto de mim. Queria ser como os outros. Ou fingir estar sempre bem. Só me deixe aqui quieto. Ver a leveza das coisas com humor. Amanhã é um outro dia, não é? Eu nem sei porque me sinto assim. Quando tudo está perdido, Eu me sinto tão sozinho.

29 outubro, 2011

só que ao contrário

ela bateu a porta e saiu.
e foi se encontrar com um abraco.
deu uma choradinha, falou da vida, conversou potoca, acabou a lata de brigadeiro.
esqueceu... voltou. abriu a porta.

28 outubro, 2011

Lei de Murphy. Passo-a-passo:

1. perca o chip do seu celular
2. solicite um novo por telefone (a central de atendimento näo é 0800!)
3. espere uma semana pelo chip que näo chega
4. ligue de novo (näo é 0800) e descubra que eles erraram o endereco
5. receba o chip novo e digite o PIN
6. lembre como você odeia e sempre esquece a porra do PIN
7. por pura preguica, esqueca de desativar a funcäo que solicita o PIN
8. seu celular resolve (pela 1654651654564 vez) dar problema no teclado. ou seja, por mais que você aperte, metade das teclas näo funcionam
9. desligue SEM QUERER o celular

voilá!
com base no item 6, basta chegar em casa e achar o papel onde está o maldito número... se é que você näo jogou fora.
com base no item 8, fudeu brother

07 outubro, 2011

quadrinha musical

primeiro eu me apaixonei pelo Damien.



aí o Damien me mostrou a Lisa.



entäo eu me encantei com a Lisa.



um dia eu conheci o Ray.



e o Ray conheceu a Lisa.



e o Ray conheceu o Damien.



e o mundo se tornou um lugar melhor...

04 outubro, 2011

Carta da distância nº 1: de estar longe

(Momento chorandinho do dia)
 
Estar longe de casa é um exercício de estar mais perto de si mesmo do que nunca. É ser você em plenitude e aí sempre tem a pergunta: você agüenta ser você? Porque já não há amigos de infância para avisar que você está mudando, já não há pai e mãe para te pedir juízo, já não há sua casa com aqueles recônditos que dizem tanto sobre você. Estar longe de casa é descobrir-se outro: aquele que você sempre foi e não deixavam. 
Lentamente, todas as pequenas coisas dessa distância passam a existir dentro de você. O nome das ruas, as linhas de metrô, o telefonema pra casa no domingo à noite. Tudo isso passa a haver em seu interior de uma forma natural, é sua vida, é você. E como era estranho antes pegar a linha cinza, descer numa estação de nome intraduzível e pegar em seguida a linha verde. De repente, é isso que você faz todos os dias, é essa sua rotina, é isso estar longe de casa. 
As línguas, os dialetos, as gírias: tudo isso é novo e tudo isso subitamente já não é. Você não necessita mais traduzir-se e entende os costumes mais diferentes (café da manhã com pão doce e chá verde já não causam estranheza), entende que o sol nasce do lado contrário ao que nascia, entende a saudade. Porque sim, dá muita saudade. Do calor das pessoas que te amavam e não eram uma conquista paulatina até que se pudesse dar dois beijinhos na despedida. Aqui, você está sendo testado todos os dias, é o elemento dissonante das reuniões, todos estão em casa menos você. 
E que saudade da mãe com os dedos fincados delicadamente entre os cachos, dizendo naquela rudez suave de mãe que está na hora de ir trabalhar. E que saudade do pai assistindo o Jornal Nacional e adormecendo enquanto Fátima Bernardes e William Bonner entoam suas diárias canções de ninar. Que saudade sabe de quê? Do suor que escorre pelas costas cada vez que você sai na rua, do almoço de domingo que era sempre frango porque domingo tinha que ser diferente (dos outros dias da semana, mas nunca dos domingos), que saudade do negro na pele, do vermelho nos olhos, do sangue fervendo em todo mundo. 
Na sua nova casa tudo funciona, todos são educados, parece tudo perfeito. Mas tem uma coisa que falta sempre que você observa o movimento uniforme das ruas, as cadeiras dessas pessoas, os rostos. Tem um quê ausente nos abraços, nos beijos de despedida, nos apertos de mão. Tem calor faltando por aqui e você não pode reclamar: você veio porque quis. 
Aliás, estar longe de casa tem muito a ver com isso: você faz as escolhas e então não pode reclamar delas. Ora, se já não há pai, mãe, amigos, toda aquela gente que tenta o melhor pra você, o livre arbítrio está todo em suas mãos. Nas decisões erradas é você e só você. O ruim é que nas certas também. 
Estar longe de casa é abrir uma garrafa de vinho de 55 centavos às quinze pra meia-noite, deitar numa cama fria por baixo de cinco cobertores, ouvir Nina Simone quase chorando (você e ela), fechar os olhos pra saudade e sorrir. Porque não tarda pra você estar perto de casa novamente. Mesmo que você permaneça exatamente onde está. 

Texto do Patrício Júnior gentilmente roubado do Madona Stole my Style

30 setembro, 2011

Birds

...Take these broken wings and learn to fly
All your life
You were only waiting for this moment to arise

26 setembro, 2011

melhores momentos

Recife 2011... o que teve?

... teve sol, praia, cerveja e dominó

... teve fiesta!

... teve gente esquisita

... teve gente casando

... teve gente dizendo que ia casar

 ... e tiveram muitos, mas muitos queridos!
ano que vem tem mais!

26 agosto, 2011

Hellcity

a palavra de ordem pra qualquer um que quer botar os pés nessa cidade é: PACIÊNCIA.

mais de uma hora esperando a mala que não aparece na esteira, quase meia hora pra vencer a fila da alfândega, mais não sei quanto tempo em cada um dos engarrafamentos que permeiam todo buraco da cidade, mais de duas horas de espera no consultório médico, e quanto tempo mesmo na fila do supermercado?

tempo. embora como em toda cidade grande o ritmo seja acelerado, aqui parece que as pessoas tem mesmo bastante tempo pra perder.

e eu fico lá, no meio desse slow motion recifence me controlando pra não infartar. mas, ó ... não tem jeito mesmo! é segurar na mão de Lenine e cantar junto:

18 agosto, 2011

we ♥ running!

(...) Truth is, I absolutely hate being in competitive sports, or any activity that will require a result in the end. Which is why, I came to discover running.

Running is cheap and can be practised anywhere ( I live in Canada and as long as there´s no snow on the ground, once a day you´ll find me outside running. When winter sets in, I run at the gym, but treadmills make me feel like a hamster). Running has no rules, no purpose*, and , best of all, it´s a wonderfully lonely activity. I enjoy being on my own, maybe a bit too much, but you see, I need that time.When I run, I just leave it all behind, solely focused on breathing and not trippping. That´s it. My ADHD mind desperately needs that one hour to decompress and think whatever it wants, no matter how weird it is. There´s no censorship when I run. I can make lists in my head, finish the short story I started writing and got stuck on, have a mental showdown with my boss… Anything goes. I just put my shoes on, pick whichever playlist suits my mood and get on my way.

And let´s not forget all the awesome benefits for your health. Running is an awesome cardio, it burns those cookies you shouldn´t have eaten just like that! And whenever you meet another lonely runner and your eyes meet, there´s always that ” Good for you!” look and smile of recognition. :) (...)

Quem escreveu foi a Marina Ramalho no "Inside Out", mas como recém-descoberta-corredora-apaixonada, podia ter sido eu... pra ler o texto completo, clica!

10 agosto, 2011

9 coisas aleatórias sobre mim

Semana passada recebi um meme da Mel, mas como eu tava meio ocupadinha com visitinhas + arrumar minhas malas, só deu tempo agora de pensar em 9 coisas aleatórias sobre mim:
  • doces. adoro doces, e quando cheguei na alemanha morria de saudades de tortas de limão, ou bolinhos de banana. pra não morrer numa crise de abstinência tive que aprender a fazer! tortas, biscoitos, bolos, minha casa parece casa de vó, todo domingo tem alguma coisa fresquinha saindo do forno.
  • pintando o cabelo. desde os 15 anos meus cabelos não são mais os mesmos. foram 10 anos brincando com água oxigenada, henna, papel crepon, etc... sempre a procura do vermelho perfeito. há 2 anos percebi como meu cabelo estava um lixo e por isso parei. mas ainda vejo os resquicios de tinta nas pontinhas dos cabelos, e continuo pensando duas vezes ao olhar a prateleira de tinturas na drogaria.
  • a louca. eu sou cheia de pequenas neuroses. pequenas e inofensivas manias que me fazem parecer assim... louca. como por exemplo a neura dos pregadores de roupas coloridos: uma peça de roupa NÃO pode ser pendurada por pregradores de cores diferentes. NÃO PODE! ou os enlatados do armário que precisam ficar na mesma prateleira dos enlatados, mesmo que só tenha espaço na prateleira dos pacotes de macarrão. ou... ou... ou...
  • cantar. se você disser que eu desafino, amor... saiba que isso em mim provoca muita dor. dói, mas eu sei que é verdade, seu joão gilberto. cantar é pra mim o dom mais lindo que alguém pode ter... e taí uma coisa que queria mesmo saber fazer, mas Murphy colocou o dedo na minha testa e me presenteou com uma afinação igual a da angela bismarchi. ou seja...
  • português.  não que 5 anos na alemanha não tenham me feito esquecer um milhão de regrinhas, mas assassinatos à língua é coisa que eu não cometo. me reviro toda sempre que vejo erros de português grotescos, corrigindo tudo mentalmente, e rezando pra nossa senhora da gramática pra castigar esse povo.
  • tatuagem. eu tenho uma tatuagem em cima de outra tatuagem. e não é que eu tenha me arrependido (ou tatuado o nome de um ex), mas é que deixou de ser eu. fiz minha primeira tattoo com 16 anos, e era um solzinho com um "OM" no meio. cinco anos depois o OM sumiu, o sol cresceu e virou um miró =)
  • dawsons creek. eu era APAIXONADA por Dawson. em 1999 dawsons creek era exibido aos sábados no sbt por volta das 11:00. bem na hora da minha aula de inglês. problema? nenhum! eu programava o vídeo-cassete e gravava todos os episódios pra ver depois mais de uma vez. e aí o sbt deixou de passar a série, e eu tive que esquecer... até que em 2009, o kino.to, me fez a pós-adolescente mais feliz e me devolveu Dawson, capítulo por capítulo, até o fim.
  • made it myself. eu sempre gostei de trabalhos manuais. quando era criança fazia cartões pros meus pais; na adolescência pintava camisetas, fazia bijuteria, capa de caderno, desenhava... com a faculdade de arquitetura veio a carpintaria e o gosto por pequenos objetos (mais recentemente terminei o relógio da cozinha, e há uns dias comecei a luminária da sala). adoro fazer as coisas eu mesma, e deixar a casa com mais cara de minha.
  • violão. eu toco secretamente violão. mal. mas eu toco. desde de criança aperriava meus pais pra fazer aula. mas parece que não me levaram a sério e eu cresci com a minha frustração... até o natal de 2007, quando o namorido me deu de presente um dos seus violões. e eu adoro sentar com o ele (o violão) no colo e arranhar minhas músicas preferidas, desde que não tenha ninguém olhando.
 ... e vocês? me contem coisas aleatórias!

04 agosto, 2011

um marinheiro alemão, por João Ubaldo Ribeiro

"O marinheiro alemão foi preso porque parou bêbado no largo da Quitanda, bem na hora do maior movimento do domingo de manhã, no desembarque do navio de passeio, tirou da barguilha aquela rola branca parecendo uma torebinha de queijo de coalho e deu uma mijadona no oitizeiro maior, sem nem se virar de costas para a maior parte dos presentes. Pode ser até que na Alemanha, o indivíduo usufrutue do direito de urinar na frente das senhoras e senhoritas, até porque se sabe que o gringo muito branco, de modo geral, tem por costume, toda vez que pode, ficar nu no meio dos outros, inclusive mulheres e crianças, deles ou dos outros. Mas isso é lá na terra deles, onde quem já foi diz que só faz sol um domingo por ano e o resto é gelo de quebrar as orelhas, porque aqui temos abastança de sol até demais e não somos adeptos desse negócio de ir sacando a estrovenga em logradouro público de respeito."
(João Ubaldo Ribeiro em Miséria e grandeza do amor de Benedita)

Doida pra ler Um brasileiro em Berlim... mas e vender que ninguém vende. Alguém empresta?

22 julho, 2011

passatempo

com a graça de Zeus, há uma semana a MSA (münster school of architecture, a.k.a. The Hell on earth) me deu férias. e já que o verão-fail-alemão não tá incentivando curtir a vida lá fora, fico aqui dentro, mas não de pernas pro ar!
e como cabeça vazia é oficina do diabo, aproveito meu ócio de uma maneira criativa: uma horinhas na  carpintaria, quadradinhos de madeira cortados e colados... e voilà! agora já se pode saber horas na cozinha.


21 julho, 2011

Discofox

se você nunca ouviu falar em Discofox, wikipediemos: é uma dancinha pra dançar assim, de dois, na disco alemä. se você näo pode imaginar 'dança de saläo' na boate, imagine a minha cara da primeira vez que eu vi isso.

a primeira vez que me deparei com essa modalidade dançante, só pude pensar numa coisa: B.I.Z.A.R.R.O. näo que fosse a primeira vez que eu vivenciasse de perto o talento alemäo para dança e me chocasse com isso, mas era a festa de casamento de um amigo alemäo e o DJ soltou 'I Will Survive'.

I will survive, minha gente, I. W.i.l.l. S.u.r.v.i.v.e. Se eu (e as gays todas) pensei "oba, vamos descer até o chäo", os alemäezinhos pensaram todos "opa, vou procurar meu parzinho e constranger a galera."

(temço)

... me escondi num cantinho pra poder rir mais a vontade fingindo näo ver o namorido alemäo ali me matando de vergüenza também.

Sobrevivi à noite, mas näo foi a última... porque pra o Discofox näo tem tempo ruim, toque The Killers, ou The Black eyed peas, os alemäes täo lá, insistindo em fazer a dancinha, e achar bonito (sim, sim... conheci uma alemäzinha que queria ensinar a dancinha pra mim e prum grupo de estrangeiros... maior boa vontade, eu sei... mas, né?!).

Só pra dificultar ainda mais meu processo de integraçäo... mas tem como se integrar com uma coisa assim? (contrangimento me chamou ali e eu näo fui!)

16 julho, 2011

... pode parecer clichê

Imagine there's no heaven
It's easy if you try
No hell below us
Above us only sky
Imagine all the people
Living for today
Imagine there's no countries
It isn't hard to do
Nothing to kill or die for
And no religion too
Imagine all the people
Living life in peace
You may say
I'm a dreamer
But I'm not the only one
I hope some day
You'll join us
And the world will be as ONE
Imagine no possessions
I wonder if you can
No need for greed or hunger
A brotherhood of man
Imagine all the people
Sharing all the world

10 junho, 2011

varanda

eu näo sei se contei, mas meu apartamentinho novo tem uma coisa abençoada: uma varanda voltada pro sul! ... ou seja... sol, sol, sol! das 10h da manhä até às 20h da noite!

e já que desde abril, shiva resolveu fazer veräo esse ano, säo os poucos 5.4m² de varanda, o cômodo mais frequentado nas (poucas) horas vagas.


eu já tinha arrumado as jardineiras, e a mesinha... mas faltava dar um jeito nas plantas no parapeito da janela: Bastaram uns furinhos no fundo, com a ajuda de uma furadeira, e dos vasos de plástico marrons sem graça elas foram parar em regadores coloridos.

p.s.: sim, é uma bananeira... sim, é super-exótico!

26 maio, 2011

DIY!

embora todos móveis já estejam em seu devido lugar, em apartamento novo sempre faltam detalhezinhos, coisinhas que deixam a casa com mais cara de sua. ando me inspirando por aí e pensando em mil coisas pra fazer myself e deixar meu lugar mais meu!

comecei näo resistindo a esses descansos de copos, e agora a minha mesinha de centro fica assim:

25 maio, 2011

"na alemanha tem"

daí que eu näo sei se vocês sabem, mas a minha nova vizinhança é óóótema e já me rendeu até um novo BFF: o asia shop da esquina.
o mercadinho é administrado por um casal de indianos e é quase como a feira de caruaru: tem de tudo que há no mundo! näo vou falar das prateleiras tailandesas, indianas, africanas... quero falar do leite ninho, do trigo pra kibe, do sazon, da fuba de milho, da macaxeira, etc etc etc... e registrar aqui o meu meu mais recente achado: CARNE DE CHARQUE!


todo o meu amor por esses indianos lindos e pela importadora sucos do brasil, que me fazem tirar a barriga da miséria aqui mesmo, nesse lado sem coxinha do mundo.

20 maio, 2011

a banda mais bonita da cidade

... há muito näo (ou)via tanta doçura.



é a banda mais bonita da minha cidade também =)

06 maio, 2011

conversinhas no parquinho

- in den Osternferien, fahre ich nach Sauerland
- SAUERland?
- jaaaaa... o.O
- ist es alles sauer dort?!


foram umas crianças fofas no parquinho.
elas pensam assim... como eu. =)

21 abril, 2011

"jesus me ama"... ou "o que fazer?"

já que o clima é de páscoa, let's talk about G-zuz.

baseado em fatos reais:

- Boa Tarde, nós somos testemunhas de jeová e gostaríamos de ler pra senhora um trecho da biblía.
- hmmmm... na verdade tô um tanto ocupada, (fora a criança que carrego no colo) preciso olhar os meninos que estäo brincando com água (muita água, destruindo tudo) no jardim.

(näo, amiguinhos, o que säo essas trivialidades diárias em comparaçäo com a palavra do senhor? ... assim eles näo väo embora.)

- Mas näo demora nada... é um trecho bem curtinho.
- hmmmm... pra falar a verdade eu näo acredito em deus.

(näo, lindos, esse é pior caminho... eles väo querer te converter)

- NÄO?! como näo? näo vê a perfeiçäo dessa criança no seu colo, os ossos, os dedinhos, tudo täo perfeito.
- hmmm... Exato tudo perfeito.

(näo. näo tente concordar)

- Ahhh... mas entäo eu vou recomendar à senhora (abre a bolsa e procura entre um milhäo de planfletos) isso aqui... fala entre outras coisas, sobre a criaçäo do mundo.
- hmmm... na verdade eu venho de uma família cristä. já li e recebi bastante informaçäo sobre o assunto desse ponto de vista.

(definitivamente näo. ela acha que você é provavelmente burra e näo entendeu nada do que lhe ensinaram)

- Mas leia, senhora... deve fazer a senhora despertar como um sopro no ouvido...
- hmmm... vou ali cuidar dos meninos, tchau.

(isso! fechar a porta é a soluçäo!)

eu me pergunto, se só existem 21654515656 lugarzinhos no céu, por que diabos esse povo ainda tenta converter gente? näo lota, näo?!

14 abril, 2011

write about love



se você, amiguinho, só por curiosidade clicar no "play and repeat" ali do lado, e parar no meu perfil no last.fm, vai ter uma idéia do quäo esperado foi esse 8 de abril.

belle & sebastian é uma das minhas bandas preferidas no mundo inteiro... pela qual eu já me apaixonei e reapaixonei zilhöes de vezes em anos. entäo contar quäo lindo foi vê-los no palco é uma coisa que eu näo vou fazer, mesmo! ... pra näo quebrar, sabe?!
mas, ó... pela setlist dá pra ver quanto amor!

1. I Didn't See It Coming
2. Come On Sister
3. Step Into My Office, Baby
4. My Wandering Days Are Over
5. I'm Not Living in the Real World
6. The Loneliness of A Middle Distance Runner
7. I Want the World to Stop
8. Piazza, New York Catcher
9. Sukie in the Graveyard
10. Read The Blessed Pages
11. (Travellin Light, up to Stevie)
12. Dear Catastrophe Waitress
13. She's Losing It
14. Women's Realm
15. The Boy with the Arab Strap
16. If You Find Yourself Caught in Love
17. Simple Things
18. Sleep the Clock Around

Encore:
19. Judy and The Dream of Horses
20. Me and The Major

... muito, muito amor!

27 março, 2011

Coming soon...

my new place XXL... aguardem!

14 março, 2011

Baucamp

e daí que eu decidi fazer um estágio num canteiro de obras... só näo tinha pensado que a obra ia ser feita com minhas próprias mäos!

no site da faculdade achei o link do Internationaler Bauorden, uma organizaçäo que recruta jovens voluntários para ajudar em canteiros de obras espalhados pela europa. por duas ou três semanas jovens de vários países ajudam na construçäo e reforma de centros comunitários, escolas, hospitais, construçöes destruídas por guerras, etc.

entre 20 de fevereiro e 12 de março fui parar Wermelskirchen (cu do mundo) pra ajudar na obra de ampliaçäo de um centro comunitário pra crianças e adolescentes. eu e mais sete pessoas (três alemäes, dois chineses, um coreano, e um italiano) nos mudamos pra casa paroquial (a casa do big brother) da aldeia, vizinha a construçäo, e por três semanas trabalhamos cerca de sete horas diárias revestindo as paredes (internas e externas) da construçäo. 


foram três semanas de trabalho cansativo, dores nas costas, falta de jeito ... mas no fim do dia , a comidinha gostosa que as tiazinhas aposentadas preparavam com todo amor como forma de "obrigado" (o programa magralinda foi um fiasco) ... e a recompensa de olhar o antes e o depois e dizer "fui eu quem fiz"!

19 fevereiro, 2011

17 fevereiro, 2011

sobre dois mil e poucos...

e foi como que combinado: os Hermanos se separaram, eu cruzei o Atlântico, e o Gram deixou de existir.
e foi assim... o fim de uma era.

26 janeiro, 2011

like an onion



underwear        underwear        underwear        underwear        underwear
                       camiseta          camiseta          camiseta          camiseta
                      meia-calça       meia-calça        meia-calça       meia-calça
                        1a meia           1a meia            1a meia            1a meia
                                              pullover           pullover             pullover 
                                               jeans               jeans               jeans 
                                              2a meia            2a meia            2a meia
                                                                    cardigan           cardigan 
                                                                    cachecol           cachecol 
                                                                      botas               botas 
                                                                                             gorro
                                                                                             luvas
                                                                                            casaco
                                                                                             bolsa
... pra ver como yo sufro tanto!

17 janeiro, 2011

bring mich nach Hause

... ich brauch, ich brauch, ich brauche Licht


bring mich nach Hause
ich bin schon zuweit hier draußen
komm und trag mich, frag nicht wieder
wohin ich will, nach Hause
ich bin schon zuweit hier draußen
komm und trag mich, schlag mich nieder
ich bin nicht still gelegt

Wir sind Helden