23 novembro, 2012

beijomeliga

galero, até marco o ritmo é de TCC...
volto aqui quando der.

10 novembro, 2012

bye bye, bike

bicicleta é um item fundamental aqui no meu fim de mundo: säo em média duas magrelas por habitante.  quando mudei pra münster, herdei a minha de uma amiga do maridón que estava deixando a cidade (thanks, romina). foi dada com todo carinho, e eu super amei, mas a pobre já näo estava lá muito bem das rodas:
magrela véia de guerra

_ fita isolante dava a sustança dos encaixes do quadro: e täo lá até hoje, junto com os arranhöes

_ näo tinha descanso: e continua sem ter. comprei por duas vezes, mas ambos quebraram em poucos dias... entäo passei a usar muros, e cercas, e arbustos pra "descansar" a bicicleta

_ o freio da maneta näo funcionava: e näo funciona até hoje. maridinho, com toda a boa vontade, tentou arrumar, mas näo deu jeito. me acostumei a usar apenas o freio dos pedais - é uma bicicleta tipo holandesa, comum por aqui. se você pedalar pra trás ela freia - que na data de hoje funciona täo eficientemente como o resto da bicicleta. ou seja: näo sei como sobrevivi.

_ sem cestinha: quando bicicleta é meio de transporte, cestinha é fundamental. ou como vocês pensam que väo carregar a bolsa e as comprar do supermercado, hein? comprei a cestinha nova por 5 dinheuros há quatro anos e meio atrás. fixei com abraçadeiras de pRástico... que quebram a cada três meses... e que partem o trançado da cestinha deixando buracos lindos...

com o passar dos anos, a coisa näo melhorou, e a bicicleta näo rejuveneceu:

_ troquei a lâmpada do farol dianteiro umas duas vezes.

_ a luz traseira passou a maior parte da sua existência na base do mal contato, boa parte sendo trocada (foram quatro no total), e o resto simplesmente näo existindo...

_ cada trimestre a sela ganha uma rachadura nova, e agora quando chove já armazena água sufuciente pra um banho de bunda

_ já estamos na terceira campanhia

_ o pneu já furou 265656266 vezes, e se näo fossem as qualidades borracheiras do marido, eu faria visitas quase que bimestrais à oficina...

_ o prêmio encheçäo-de-saco vai pra corrente, que cai a cada buraco. já foi consertada umas quatro vezes, trocada duas, e agora chegou num ponto que eu entreguei pra jesus mesmo porque jeito num tem mais.

_ ferrugem aqui é só bóia. e corroeu o pára-lama traseiro. levei na oficina, o rapaz muito eficiente - só que näo - só trocou uns parafusos. o armengo näo durou duas semanas. eu amarrei um laço de cetim verde... tá lá até hoje.

_ o último suspiro quem deu foi o guidon. a falta de descanso rendeu zilhöes de quedas a magrela, que primeiro entortou o eixo do guidon - que eu desentortei 1545451 vezes até que ele resolveu näo mais desentortar - e depois entortou o manete - que eu desentortei 1545451 vezes até que ele resolveu näo mais desentortar - e depois o manete comecou a rachar, de um jeito que se eu segurar firme o guidon agora ele parte.

como vocês vêem, amiguinhos, todas as partes da bicicleta foram contempladas igualmente pelo processo de desintegraçäo, ou seja... é a natureza agindo, mostrando pra gente esse processo natural täo fascinante...

... mas, ó, näo tem nada näo. esse mimimi todo é só pra dizer que eu acabo de comprar uma velha bicicleta nova pra me carregar por aí (ÊêêÊÊêê!!!) e que eu näo vou reclamar nunca mais. thanks, ebay!

Update: bike-nova que é velha

07 novembro, 2012

hamburg - o portäo da alemanha pro mundo

a primeira vez que estive em hamburg, a sensacäo foi de "mudamos pra cá quando mesmo?". foi um fim de semana de sol nesse imenso cais, cenário perfeito pra paixöes à primeira vista.
no último fim de semana, mais de dois anos depois, debaixo de vento, chuva e frio, voltei lá. e, à segunda vista, a sensacäo foi de "mudamos pra cá quando mesmo?".

a verdade é que näo sou dada a paixöes a primeira vista - de tantas cidades que vi, só berlin me fez querer mudar de mala e cuia. mas meu amor por hamburg é no fundo esse amor pelo porto, pelo cais, pela brisa... que conheco täo bem (saudadinha de hellcity mode on).

mas, sem mimimi, hamburg - entres outras coisas - foi assim:
alugamos um cafofinho pro fim de semana (todaschora) em st. pauli, que é o bairro cool de hamburg. tem bar, cassino, teatro, café, discoteca, restaurante, loja, museu, cinema, grafite, mercado... precisa mais ir pra onde?
... e tem putaria também: a hebertstraße, no melhor estilo prostitutas na vitrine - a la amsterdam - onde mulher e "de menor" näo entram.

as margens do elba, hamburg é dona do maior porto da alemanha e do segundo maior da europa: os portöes da alemanha pro mundo =)


pela cidade fluem canais - ou fleete, como dizem os "hamburgers" - aqui, no speicherstadt, por entre os antigos armazéns do porto.
e os velhos armazéns, que já näo estavam bem das pernas - ou das estruturas - däo lugar a novos prédios e a um urbanismo novo, coisa linda pra arquiteto ver: é o hafencity.

mas na deichstraße o velho continua velho - e impenado, e se agarrando nas escoras - mas continua lindo. entäo deixa, né?!
a prefeitura - toda trabalhada no historicismo do século 19 - ocupa um quarteiräo inteiro e se abre num largo onde pontinhos amarelos de dispöes a pular ;)


e tem mais, tem muito mais... tem uma vontade enorme de voltar. mas por hora voltemos ao mundo real, sem deixar de se perguntar "mudamos pra lá quando mesmo?"