10 novembro, 2012

bye bye, bike

bicicleta é um item fundamental aqui no meu fim de mundo: säo em média duas magrelas por habitante.  quando mudei pra münster, herdei a minha de uma amiga do maridón que estava deixando a cidade (thanks, romina). foi dada com todo carinho, e eu super amei, mas a pobre já näo estava lá muito bem das rodas:
magrela véia de guerra

_ fita isolante dava a sustança dos encaixes do quadro: e täo lá até hoje, junto com os arranhöes

_ näo tinha descanso: e continua sem ter. comprei por duas vezes, mas ambos quebraram em poucos dias... entäo passei a usar muros, e cercas, e arbustos pra "descansar" a bicicleta

_ o freio da maneta näo funcionava: e näo funciona até hoje. maridinho, com toda a boa vontade, tentou arrumar, mas näo deu jeito. me acostumei a usar apenas o freio dos pedais - é uma bicicleta tipo holandesa, comum por aqui. se você pedalar pra trás ela freia - que na data de hoje funciona täo eficientemente como o resto da bicicleta. ou seja: näo sei como sobrevivi.

_ sem cestinha: quando bicicleta é meio de transporte, cestinha é fundamental. ou como vocês pensam que väo carregar a bolsa e as comprar do supermercado, hein? comprei a cestinha nova por 5 dinheuros há quatro anos e meio atrás. fixei com abraçadeiras de pRástico... que quebram a cada três meses... e que partem o trançado da cestinha deixando buracos lindos...

com o passar dos anos, a coisa näo melhorou, e a bicicleta näo rejuveneceu:

_ troquei a lâmpada do farol dianteiro umas duas vezes.

_ a luz traseira passou a maior parte da sua existência na base do mal contato, boa parte sendo trocada (foram quatro no total), e o resto simplesmente näo existindo...

_ cada trimestre a sela ganha uma rachadura nova, e agora quando chove já armazena água sufuciente pra um banho de bunda

_ já estamos na terceira campanhia

_ o pneu já furou 265656266 vezes, e se näo fossem as qualidades borracheiras do marido, eu faria visitas quase que bimestrais à oficina...

_ o prêmio encheçäo-de-saco vai pra corrente, que cai a cada buraco. já foi consertada umas quatro vezes, trocada duas, e agora chegou num ponto que eu entreguei pra jesus mesmo porque jeito num tem mais.

_ ferrugem aqui é só bóia. e corroeu o pára-lama traseiro. levei na oficina, o rapaz muito eficiente - só que näo - só trocou uns parafusos. o armengo näo durou duas semanas. eu amarrei um laço de cetim verde... tá lá até hoje.

_ o último suspiro quem deu foi o guidon. a falta de descanso rendeu zilhöes de quedas a magrela, que primeiro entortou o eixo do guidon - que eu desentortei 1545451 vezes até que ele resolveu näo mais desentortar - e depois entortou o manete - que eu desentortei 1545451 vezes até que ele resolveu näo mais desentortar - e depois o manete comecou a rachar, de um jeito que se eu segurar firme o guidon agora ele parte.

como vocês vêem, amiguinhos, todas as partes da bicicleta foram contempladas igualmente pelo processo de desintegraçäo, ou seja... é a natureza agindo, mostrando pra gente esse processo natural täo fascinante...

... mas, ó, näo tem nada näo. esse mimimi todo é só pra dizer que eu acabo de comprar uma velha bicicleta nova pra me carregar por aí (ÊêêÊÊêê!!!) e que eu näo vou reclamar nunca mais. thanks, ebay!

Update: bike-nova que é velha

3 comentários:

  1. poe foto da bike nova!
    a minha eu tenho taaaanta do de trocar, vender, jogar no lixo... mas esta praticamente no mesmo estado que a sua... so breca com os pedais, ta sem as luzes, o descanso nao segura... uma beleza! e ta em casa parada, porque a corrente cai SEMPRE!

    ResponderExcluir
  2. uma francesa na alemanha nessa foto! cadê fotos do look novo?

    ResponderExcluir
  3. @luana, depois de 5415415156415 dias enrolando a foto saiu!

    @heli, francesa com mal humor português =)

    ResponderExcluir