26 março, 2013

ado-a-ado, cada um no seu quadrado.

olha, eu tenho a impressão de que na internet as pessoas acham que eu super pago de atéia praticante. embora pra minha defesa eu deva esclarecer que as piadinhas facebookianas e twitticas abrangem não só a esfera religiosa, como também as política, geográfica, musical, ... enfim. me parece que eu pago de chata. mas ó, eu juro que é só no mundo virtual.

no mundo real eu REALMENTE me esforço pra mudar de assunto: desenvolvi a técnica da cara de paisagem, amarro a minha língua, e nem sequer balanço a cabeça, que é pra não cair na armadilha de ter que falar a minha opinião.

e olha, nem é que que eu não goste da minha opinião, mas é que testemunhas de jeová já tocaram a minha campanhia pra me tirar da cama às 8h da manhã do domingo, e o pastor do barro/macaxeira já gritou muito no meu ouvido pra espantar o mal. e eu acho tudo isso super desagradável, porque eu não acho que ninguém está interessado na opinião religiosa de ninguém.

eu super fico com medo de chatear alguém quando a cabeça teimar em balançar, ou a língua soltar. e eu sinceramente não sei o que se espera de mim quando, sem ser questionado, neguinho começa a monologar sobre a existência divina. porque gente. minha GENTE. a técnica da cara de paisagem funciona por apenas meia hora! e depois... como lidar?

24 março, 2013

myweek 6 - about love

#1: malakoff

#2: lasanha bafônica

#3: telhado do paço

#4: da lama ao caos

#5: familia ê, família á

#6: luna, mamäe te ama

21 março, 2013

recife de dentro pra fora

já cheguei querendo ir embora. passei os últimos dias contando os dias pra voltar.

recife continua a mesma. o mesmo cheiro de mijo, o mesmo trânsito, os mesmos buracos, os mesmos muros. recife continua feia.

e recife continua a mesma. os mesmos casarios caindo aos pedaços, o mesma fedentina do capibaribe que corta a cidade, a mesma insegurança ao atravessar as tantas pontes. recife continua a näo saber ser bela.

depois de flanar pela cidade, subi a torre de malakoff, e entrei sozinha numa sala escura pra assistir a um curta em exposiçäo: recife de dentro pra fora. um filme que mostra essa recife feia, que teima em näo saber ser bela.



e eu chorei. baixinho naquela sala escura. chorei por essa cidade que poderia ter sido, e näo foi - como no verso de manoel bandeira. chorei um choro de quem tem o coraçäo partido.

saí da torre, pus os óculos escuros, pedi uma água de coco, comprei uma pinha e me despedi. recife, eu sempre te quis, mas nunca fui correspondida.

18 março, 2013

myweek 5 - quinta + sexta

 #1: boa viagem

#2: ladies night

#3: playground pra pombo

#4: take on me

#5: vidäo

#6: três ex-aupairs, uma mäe e...
uma que gosta de cachorro.

15 março, 2013

o som ao redor

coincidentemente era 12 de março, aniversário da cidade, quando fui assistir "o som ao redor". um filme rodado em recife, feito por um cara de recife, falando sobre as mazelas de recife.

e recife tá ali em cada som: em cada diálogo, em cada rua, em cada situaçäo... na história täo arraigada.

e aí tive medo. medo de que um dos filmes mais verdadeiros que vi nos últimos tempos tenha se limitado àquilo ali. que o cara de manaus, de münster, ou de manhattan näo perceba aquelas sutilezas todas que fazem o filme ser o que é. mas eu espero mesmo é que seja perceptível. porque esse som na verdade nem é tanta exclusividade de recife assim.



väo ver, porque o filminho é mesmo massa, mô véi!

11 março, 2013

myweek 4 - voltei, hellcity!

 
#1: casa de mäe

#2: dinossaura

#3: saci-pererê style

#4: pitorescidade


#5: coisas de veräo

#6: cobogó

06 março, 2013

antropologia de aeroporto


voltar ao brasil é sempre uma grande aventura! só as primeiras horas de um aeroporto a outro já däo uma grande idéia do que há por vir nesse país tropical - o que mostra que meu processo de integraçäo nas terras sem coxinha näo é lá dos piores. essa experiencia antropológica maravilhosa já rendeu as primeiras observaçöes:

_ um brasileiro pode ser reconhecido pelo gosto de ficar numa fila. com o número do seu assento reservado, pra que esperar confortavelmente sentado se você pode fazer isso numa fila? a fila te dá a possibilidade de puxar conversa com a colega do lado, de se queixar do tempo, e é claro, de reclamar que a fila näo anda. enfim... porque näo, né?

_ outra tática infalível de reconhecimento de tupiniquins säo as palmas. que outro povo do mundo pode ser täo lindo a ponto de gastar aplausos e assobios com o simples fato de um aviäo aterrisar? até quando, shiva?

_ daí que até ano passado você desembarcava no aeroporto de hellcity e pra entrar no clima do volume da cidade tinha um funcionário super motivado aos berros "BRASILEEEEIROS, aqui", "ESTRANGEEEEEIROS, ali" indicando o caminho da fila (de novo ela) da imigraçäo. esse ano ninguém berrou comigo, veja que lindo! colocaram placas, que maravilha! em português... p.o.r.t.u.g.u.ê.s apenas. bonito pra um aeroporto internacional, né? "só quero ver na copa".

_ e também tem aquele negócio que todo mundo sabe. brasileiro é um povo alegre, aberto, simpático e taws. m.i.t.o.l.o.g.i.a pura. você acaba de desembarcar na cidade näo recebe um "boa tarde" de seu-ninguém, e "boa estadia" que é bom, neguinho näo te dá. aí vocês dizem que os alemäes é que säo frios. hunf!

saldo da primeira hora em terras tupiniquins: reembarco quando?

04 março, 2013

Hi, Murphy!


aí você começa a fazer tudo certo, que é pra näo deixar nada nesse novo começo desantar:

recomeça a dieta e já vê resultados... organiza os dias... passa a cuidar mais de si mesma, do corpo, da cabeça... planeja os próximos passos... volta a correr... volta a sorrir...

... daí vem Murphy e BANG! ... joga bosta no ventilador que é pra provar que quem manda nessa merda é ele.

tô indo passar dez dias no brasil.

volto já.