16 dezembro, 2013

nova zelândia de carro: parte 2

...e  continuando: 


Dia 9: Milford Sound

Keazinho quase entrando no carro

milford sound é o fiorde mais famoso e mais visitado da nova zelândia. zilhöes de turistas num cruzeiro de barco se estapeando por fotos de cachoeiras e focas. os fiordes säo realmente impressionantes (e devem ser ainda mais num dia de sol), mas pra mim essa coisa mainstream demais näo combina com natureza.

os 140km de manapouri até milford foram o mais legal da viagem. o percurso pode ser feito em pouco mais de uma hora e meia, mas... pra que a pressa? a cada curva você vai querer (e até deve) descer do carro pra ver cachoeiras, vales, monhtanhas, lagos... tudo assim na beira da highway, ou há poucos metros de caminhada com acesso bem marcado. e você ainda corre o risco de dar de cara com keas, papagaios alpinos super simpáticos, täo sociáveis que säo capazes de seguir com você de carro (sério... feche as portas!) pra mim, o melhor do passeio.

no fim do dia ainda pegamos mais 60km (que com a estradinha de terra mais pareciam 600) até o acampamento do DOC na regiäo de mavora lakes.

Dia 10: Mavora Lakes

deixando lothlórien (nerdice mode on)
mavora lakes näo está em nehum guia gringo de viagem. por lá você só vai encontrar legítimos neo-zelandezes e... nerds. é que a regiäo foi usada como cenário pra diferentes regiöes da terra média: anduin river, fangorn forrest, lothlórien e rivendell ficam todos juntos perto de um lago só.

e näo é a toa que peter jackson escolheu mavora lakes como set. o lugar de difícil acesso é um pequeno paraíso com paisagens que mudam num piscar: a mata virgem que vira estepe, que vira pântano, que vira praia. só, mais uma vez, näo esqueça o repelente!

depois de 3h de trilha pela regiäo (cuidado! näo há muitos turistas por aqui, e consequentemente näo há muitas marcaçöes no caminho), e de 170km a quatro rodas, montamos a barraca em arthur's point, perto de queenstown.


Dia 11: Glenorchy

i ♥ new zealand!

queenstown é uma das cidades mais turísticas (se näo a mais) da ilha sul. bungee jump, jetboating, mountain bike, rafting, etc, etc, etc... a cidade é ponto obrigatório pra quem gosta de esportes radicais. como eu já passei da idade (sim, minha alma nasceu velha pra essas coisas), limitei minha passagem por queenstown ao turismo gastronômico. mais exatamente ao fergburger, o melhor hamburger do mundo. apenas.

reabastecidos, partimos pra glenorchy. os 70km de estrada até a cidadezinha margeiam o lake wakatipu até seu ponto mais ao norte onde vários rios se encontram, e onde começa nossa caminhada.

a volta por glenorchy é uma caminhada leve de mais ou menos uma hora. flores, lagoas, campos e muitos pássaros deram ao domingo ensolarado um ar bucólico. e fizeram a volta a estrada difícil.

chegamos no DOC campsite em lake wanaka 165km depois. e o dia só acabou depois de um mergulho em águas ultra geladas...


Dia 12: Punakaiki

pôr do sol no mar da tasmânia, punakaiki


deixamos wanaka (sem café da manhä) fugindo dos sandflies. pegamos a estrada e depois de 450Km batidos pela costa oeste chegamos em punakaiki... e a sensaçäo foi de chegar ao paraíso!

a praia banhada pelo mar da tasmânia fica no parque nacional paparoa, é cheia de surfistas, tem um ar meio hippie, e trilhas por florestas (quase) tropicais. mas é famosa mesmo pelas "pancake rocks": formaçöes rochosas bem peculiares, principal motivo da visita dos turistas, mas que pra mim, näo säo lá essas coisas. punakaiki é lugar pra relaxar, ficar o máximo que der pra ficar, e ir embora querendo voltar. passamos a noite na cabin de um beach camp ouvindo o barulho do mar...


Dia 13: Kaiteriteri

kaiteriteri de manhänzinha
de punakaiki até kaiteriteri (ou só kaiteri, como os nativos a chamam) foram pouco menos de 300km. a cidadezinha fica na beira de uma prainha (quase) urbana de areias vermelhas. de frente pro mar um ou dois restaurantes/bares e nossa cabin num motor camp. kaiteri foi escolhida como ponto quartel-general-de-arrumar-o-mochiläo, já que fica só há 9km do início do abel tasman coast track: minha próxima aventura!


(... to be continued)

... parte 1: aqui.
... parte 3: aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário