31 dezembro, 2014

retrospectiva 2014

... ainda bem que tá quase no fim, viu?! 


janeiro começou com música. fevereiro teve bons drinks. mas foi mesmo em março, depois do carnaval, que o ano começou. na páscoa me fué a barcelona. maio foi tempo de reencontrar o passado, e rodrigo amarante, em berlin. em junho eu sumi, em julho eu me libertei e pouco depois eu gritei tetra. o haldern pop foi em agosto. o dia mais feliz em setembro. em outubro fui comer pastel de nata - e coxinha - em portugal. mamis e papis vieram finalmente em novembro me visitar. e em dezembro... eu apenas esperei o natal chegar (e passar). 

depois de um ponto final, 2014 foi um ano de muitas interrogaçöes. um ano em que me senti como um barco a deriva no mar... mas num dia de sol! 

que 2015 traga um porto. 

feliz ano novo pra vocês também!

25 dezembro, 2014

Ho Ho Ho!


um feliz natal pra vocês também!
p.s.: don't do drugs, people

21 dezembro, 2014

myweek(end) 14 - mercado de natal medieval

sou louca por mercados de natal! em telgte, uma cidadezinha aqui do lado, o "mercado das luzes" é uma feira medieval: com música, roupas típicas, fogueiras, hidromel, arco e flecha, cavaleiros, e uma vontade enorme de voltar no tempo!

#1: algum cavaleiro para uma távola redonda?

#2: casa de ferreiro...

#3: ... espeto de ferro

#4: tem hidromel - e visitantes vestidos a carácter - na tenda

 #5: um urso como alvo pro atirador de machados

#6: arqueira nata

#7: mais uma das tendas do mercado

e ano que vem tem mais... porque na minha vida passada eu morava numa torre e caçava dragöes!

12 dezembro, 2014

10 álbuns que marcaram a minha vida

semana passada a lídia, do na terra da lua virada, postou uma listinha com os 10 álbuns que marcaram a vida dela. adoro uma lista, nunca vivi sem música, e achei a idéia täo legal que imediatamente comecei a pensar na minha. tarefa difícil e prazerosa, que me fez ouvir (e cantar junto) coisas que näo ouvia há anos, me levando pra outros tempos. já que minha vida sempre teve trilha sonora e sempre tem um álbum de fundo tocando enquanto a vida acontece:

1. as quatro estaçöes, legiäo urbana. foi a primeira FITA CASSETE (i'm that old, bitch) que eu ouvi ativamente. a primeira vez que näo era o rádio ou um disco dos meus pais que tocava no meu player. e foi bem definitivo pra tudo quanto foi música que veio na minha vida depois. eu devia ter uns treze anos, e a fita foi um presente da minha melhor amiga da época, que tinha um irmäo mais velho que era fä da banda. foram tardes e noites na calçada com as amigas da rua em que a gente näo fazia nada a näo ser cantar legiäo. e as quatro estaçöes me leva sempre pra esse tempo... pro começo da minha adolescência, pros primeiros dramas, pras primeiras amizades eternas...


2. unplugged new york, nirvana. lembro da primeira vez que ouvi esse disco. acho que na oitava série ou no primeiro ano, no recreio da escola. achei a música instigante, nunca tinha ouvido nada do gênero e naquele momento um mundo novo todinho em inglês se abriu pra mim. engraçado é que näo lembro de ter ouvido muito o álbum... nunca tive sequer uma cópia. mas numas das inúmeras madrugadas de MTV, gravei uma FITA DE VÍDEO (yes, bitches) do especial e assisti tantas vezes que perdi as contas de quantas me apaixonei pela barba mal feita e o cabelo sujinho do kurt. ainda hoje é um dos meus álbuns favoritos... que eu escuto junto com o marido (o CD é dele. comprado na mesma época em que gravei a fita de vídeo ♥♥♥ )



3. placebo, placebo. olha, minha geraçäo foi a última da idade das trevas musicais, viu?! num tempo onde discos eram caríssimos, rádios uma bosta e internet näo havia, era difícil proceder sendo amante de música alternativa. e o que nos restava? ligar a MTV a 1:00 da manhä pra assistir uma vez por semana  o kid vinil e seu lado B (sempre com o vídeo cassete preparado). e foi numa madrugada dessas que assisti o clip de nancy boy, do placebo. e tudo naquele momento me fez apaixonar: a estética dark do clip, a música, a performance divosa de brian molko. na mesma época a música também tocava no que viria a ser a minha discoteca favorita, a  non stop, uma festinha alternativa que rolava todo sábado em recife por uns oito anos. e é praí que placebo me leva. pras madrugadas dançantes, pro coturno no calor do nordeste, pras primeiras bebedeiras, pras melhores amigas, pro olho preto de rímel... e é até hoje (depois de uma pausa) uma das minhas bandas favoritas no mundo.


4. cordel do fogo encantado, cordel. já vou aqui dizendo que o álbum em si, esse CD que você compra e bota pra tocar näo é legal. cordel foi uma banda pra se viver de frente do palco! e foi uma era. näo sei quantos shows eu vi... só sei que foi o suficiente pra saber de cor näo apenas todas as músicas, mas também todos os poemas recitados com vigor por lirinha. cordel marcou as noites na rua da moeda, os melhores carnavais de recife, e me levou às aulas de percurssäo (ai que saudades da minha alfaia).


5. if you're feeling sinister, belle & sebastian. foi na faculdade no brasil que eu descobri belle & sebastian. uma das minhas melhores amigas era fä da banda e nunca entendeu como eu nunca tinha ouvido falar deles. e ela tinha razäo: foi amor (eterno e verdadeiro) a primeira nota. if you're feeling sinister foi o primeiro álbum que ~baixei~. e em épocas em que um download durava uma madrugada inteira, foi a trilha sonora dos chats das madrugadas e dos primeiros passeios pela blogosfera. é um disco que eu sempre "esqueço", mas que sempre redescubro e me reapaixono.


6. quatro, los hermanos. quatro é de 2005, o ano que eu decidi que sairia do brasil. eu era fä da banda e assistia a todos os shows (e olha que em recife foram muitos) desde 2002. entäo a turnê do quatro foi pra mim uma despedida (e coincidentemente pra banda também). näo é meu álbum favorito deles, mas é definitivamente o que mais me marcou. foi um ano que me despedi da minha vida antiga... e que por isso foi vivido täo intensamente. e foi também um ano em que eu planejava ansiosamente minha vida nova. e quatro foi o soundtrack desse ano täo cheio de emoçöes.


7. die reklamation, wir sind helden. foi a primeira banda alemä na minha vida... e é minha favorita até hoje. foi trilha sonora do meu primeiro ano por aqui. desse ano onde tudo era TÄO novo! lembro de pegar o encarte do cd e ler as músicas pra aprender a língua. lembro de näo entender. lembro de travar a língua. lembro de achar fascinante quando finalmente fazia sentido.


8. disco paralelo, ludov. sabe quando você escuta uma música e ela se encaixa perfeitamente no momento que você tá vivendo? e sabe quando é o disco inteiro? o disco paralelo foi a trilha sonora pro meu (quase) ano em viena, lugar onde eu me senti täo estrangeira, täo só, exilada. e era um disco inteiro sobre isso, um disco inteiro sobre saudades, um disco inteiro sobre fugir... um disco sobre o meu momento. que me confortou e me fez sentir menos só no mundo.


9. pablo honey, radiohead. radiohead é pra mim uma das bandas mais geniais do mundo, mas que nunca tinha sido soundtrack da minha vida. até o inverno de 2007/2008 quando eu redescobri o disco e era basicamente a única coisa que tocava no meu player (e vivendo sozinha num país estranho, o seu player é um negócio que toca muito). foi a época em que eu tava organizando a papelada pra voltar pra alemanha, morrendo de saudade do meu alemäo, e de saco cheio daquela cidade! "What the hell am I doing here? I don't belong here". era creep que eu tava ouvindo na fila da embaixada quando finalmente recebi meu visto: um dia feliz. "You're so ****in' special" anos mais tarde era creep parte importante da trilha sonora do meu casamento: um dia mais que feliz.


10. cançöes de apartamento, cícero. eu cresci ouvindo música brasileira... e sempre fui apaixonada. mas depois de alguns anos vivendo fora do brasil minha relaçäo com a música brasileira esfriou. acho que de 2007 a 2012 eu näo ouvi mais nada de novo e andei meio sem paciência pras coisas velhas. até que uma amiga me apresentou ao Cícero... e foi como um reencontro. por mais que se domine uma língua estrangeira, nunca vai ser igual se deliciar com sutilezas na nossa língua mäe. cícero trouxe esse gosto de volta. além disso, ele é pra mim uma espécie de marco. cícero é um pedaço de brasil que näo tem referência com o meu passado. é um brasil que vive - porque eu decidi deixar viver - comigo no presente.


olha, eu tenho que agradecer a lídia e recomendar você a fazer a sua listinha também... porque foi täo bom que eu já tô querendo outra!

09 dezembro, 2014

do tempo...

Innisfallen Abbey . Irlanda

eu tenho amiga que fala em botox desde os 25. tenho amiga que fez plástica. tenho amiga que aos 30 usa cremes pra pele de 60. tenho amiga que näo comemora mais aniversário.

e eu nunca vou entender essa loucura.

eu gosto das marcas na minha mesa de madeira. dos arranhöes no meu sapato. das ruínas de uma catedral numa ilha no meio de um lago. daquela linha que aparece se eu sorrir na frente do espelho.

säo rastros do tempo. säo marcas da vida.

e näo é que eu deixe o tempo consumir a vida. passo óleo na madeira, cera no sapato, corro, faço ioga, tomo chá verde... e uso meus creminhos.

mas nunca vou entender essa paranóia. nunca vou entender esse medo da vida.

03 dezembro, 2014

mix number four: Last Christmas I gave you my heart

nada como trabalhar durante o ~natal~, numa loja que vende artigos de ~natal~, pra cagar com a magia do SEU... ~natal~.

mas, respiremos fundo, e tentemos salvar o espírito natalino desse grinch malígno das trevas com um playlistizinho lindo feito com músicas ~de natal~ felizes pra (finalmente) entrar no clima:

#1 Have Yourself a Merry Little Christmas - She & Him
#2 hallelujah - damien rice
#3 white chritmas - bad religion
#4 God Rest Ye Merry Gentlemen - Bright Eyes
#5 Sleigh Ride - She & Him
#6 greensleeves - loreena mckennitt
#7 litle drummer boy - Bright Eyes
#8 silent night - lisa hannigan

18 novembro, 2014

Bolo de Outono

a maioria das árvores já perdeu a copa dourada e o que resta parece cenário de filme de terror. é cinza e frio lá fora. chove na maioria do tempo.

mas daqui da cozinha o fogäo é quentinho e o ar tem cheiro de especiarias... tem lugar melhor pra olhar o outono passar?

e assim o forno vira passatempo, e testar receitas novas com ingredientes sazonais vira necessidade. foi daí que saiu da minha cozinha um bolo com gosto de outono: abóbora, damasco, café, nozes, canela, gengibre, cravo, baunilha e noz moscada...


e se você quer que saia um desses do seu forno também, eu fiz assim:

mergulhei 100gr de tâmaras secas e sem caroços em uma xícara de café forte e deixei por lá por pelo menos meia hora. numa panela derreti 170gr de manteiga sem sal e deixei no fogo até começar a pegar cor (mas sem queimar, ó).

cozinhei 275gr de abóbora (usei a moranga já que dá pra usar com casca e tudo!), e com ajuda da varinha mágica fiz um purê. acrescentei 290gr de açúcar, 2 ovos, 2 colheres de chá de gengibre ralado, e a manteiga derretida. misturei bem e adicionei 195gr de farinha da trigo, uma colher de chá de sal, a polpa de meia vagem de baunilha, 2 colheres de chá de canela em pó, 1/2 colher de chá de cravo em pó e uma pitada de noz moscada.

por fim juntei os damascos, 4 colheres de sopa de aveläs e nozes (duas de cada) picadas e torradas, e uma mäo cheia de bombons de caramelo picadinhos. coloquei numa forma untada e assei a 165°C por cerca de uma hora.

tirei do forno e cobri com uma mistura de 180gr de açúcar de confeiteiro e 40ml de cerveja forte (starkbier na alemanha). decorei com tâmaras e nozes.


pra aquecer um coraçäo frio e deixar a cozinha com cheiro de outono näo tem coisa melhor!

p.s.: a receita eu adaptei daqui

13 novembro, 2014

i'm late, i'm late, i'm late...

e daí que enquanto eu näo acho o emprego certo me divirto com os errados estou fazendo bico numa loja até o natal.

primeiro dia de trabalho cometo a cagada de anotar minha escala errada e só percebo quando a minha chefa me liga às 7 da manhä "oi ana, você vem?".


muito bonito pra minha cara de CU chegando MEIA HORA atrasada no meu primeiro dia de emprego (atenham-se que estamos em território teutäo, e por aqui em pontualidade só se perde pros suíços).

ontem a noite, uma semana depois, eu muito linda fui pra cama cedo, e desconectei o celular pra näo correr o risco de ficar olhando besteira demais antes de dormir, e escolhi um tom novo e super proprício pro despertador... e tcha-ran: acordo na hora que eu deveria estar saindo de casa!

só pra esclarecer: eu sou uma pessoa l.e.n.t.a. de manhä. o despertador toca no mínimo três vezes (naquele esqueminha de "mais cinco minutinhos"), eu me programo pra levantar pelo menos uma hora antes de sair de casa, ou uma hora e quinze se tiver de tomar café-da-manhä. e ainda assim, nos minutos finais, rola estresse.

mas hoje, meine damen und herren, foi dia de façanha: exatos vinte fuckin' minutos do instante em que levantei da cama até o momento em que pisei no trabalho. penteada, maquiada e com lanche empacotado. comecei a trabalhar com dez minutos de atraso... mas e daí??? quebramos um recorde!

07 novembro, 2014

mix number three: pro outono chegar

com atraso, eu sei... mas é que esse ano o outono também demorou a chegar.


#1 winter winds - mumfords & sons
#2 the last day of summer - the cure
#3 bridge over troubled waters - johnny cash
#4 lonely lonely - feist
#5 coney island - death cab for cutie
#6 emmylou - first aid kit
#7 little lou, ugly jack, prophet john - belle & sebastian
#8 blow the wind - lisa hannigan

05 novembro, 2014

myweek 13 - visitas mais que esperadas

o que eu andava fazendo por aí enquanto näo aparecia por aqui:

#1: pai usando a barba pra disfarçar as
bochechas enormes iguais às que ele me deu

#2: pose pro paparazzi no porto

#3: romantizando no aasee

#4: meu pai concorda em largar a câmera pra
aparecer na única foto comigo em dez dias

#5: último churrasco do ano em pasárgada

#6: era pra ser uma foto de por-do-dol romântica às margens do reno
em düsseldorf. mas aí apareceram o genro e o amigo-mala.

#7: a bratwurst e a única foto do meu pai sorrindo

#8: and it's over!

porque esperar visita é a melhor coisa do mundo. quando eles chegam, bagunçam a vida da gente. mas deixam um pedaço faltando quando väo embora...

23 outubro, 2014

t-shirt


ele: você fica muito sexy nessa camiseta.
ela: essa camiseta que eu comprei na SEÇÄO INFANTIL da H&M? o.O

20 outubro, 2014

a saga da carteira

nossa história começa em recife, treze anos atrás, em 2001 quando ao fazer 18 anos eu respondi "cachorro" à pergunta da minha tia querida que quis saber o que me dar de presente de maioridade: carteira de motorista ou cachorro.

luna, mamäe te ama
2009, oito anos depois, já na alemanha, eu decidi tomar vergonha na cara e tirar minha carteira de motorista. como tudo em euro é mais caro, achei que era uma boa idéia fazer isso no brasil. e vinte aulas depois fiz a prova de direçäo e, ó, em quinze minutos eu tinha minha carteira.

auto-escola em recife. quase assim
voltei pra alemanha no outro dia, com uma carteira de motorista, MAS sem saber dirigir... porque né!? ter aulas de direçäo num ESTACIONAMENTO e fazer a prova no PÀTIO do detran-pe, apenas me deixaram mega insegura... no trânsito. resultado: näo peguei mais no carro.

minha relaçäo com o volalnte
aí ano passado, no meio da minha crise pré-trinta, eu decidi tomar vergonha na cara e aprender a dirigir. com minha carteira internacional já sem validade, resolvi converter a carteira brasileira, numa alemä. e o que deveria ser simples, rápido e barato - já que com uma carteira válida em mäos eu só precisaria, teoricamente, fazer as provas - se transformou num longo calvário. porque ó: recife näo me ensinou a dirigir; recife me deixou com trauma de trânsito; ter "trintado" (expressäo gentilmente roubada da lívia) cagou com aquela capacidade de aprender tudo muito rápido e muito tranquilamente dos 18; além do que, tem gente - eu - que näo leva mesmo jeito pra coisa.

mais de um ano de drama auto-escola em münster
mas eu sou brasileira e pensei em desistir váááárias vezes  näo desisto nunca e tchâ-rammmmm: desde sexta-feira eu tenho uma carteira de motorista E sei dirigir...

dancinha de comemoraçäo, bitch!
... o que leva a saga - e esse texto - finalmente ao fim:

só precisei de apenas 15 meses, de apenas zilhöes de horas de auto-escola,
e de apenas alguns zilhöes de euros.

15 outubro, 2014

... with the good ones on my shoulder

mantra da semana:


When I'm counting up my demons 
Saw there was one for every day...

13 outubro, 2014

myweek(end) 12 - baumberg num domingo de sol

... porque programa de índio mesmo é ficar no sofá com um dia lindo desses lá fora!

#1: vou passear na floresta, enquanto...

#2: trilha

#3: outubro dourado

#4: girassóis

#5: do alto da "montanha"

#6: hello, sunshine!

10 outubro, 2014

eu blogo, tu blogas

 

outro dia entrei num blog que eu já nem me lembro mais e ali, no canto direito, junto com a foto do perfil, tinha escrito bem grande "11 anos de blog". aí eu pensei nisso aqui, e percebi que depois de tanto escrever eu já näo fazia a menor idéia de quando começou.

fui fuçar e descobri que o primeiro post oficial do i'm talking with myself foi setembro de 2009. os arquivos do blog porém datam de dezembro de 2008, quando o blog ainda respondia por meio bossa nova meio rock and roll. mas se você for lá e esmiuçar dezembro, vai ver que a blogagem vai bater no finado fabuloso destino, lá em maio de 2006.

e a coisa näo pára por aí, apenas näo há dados que comprovem. mas se näo me falha a memória, já antes dele havia o entrelinhas, e antes dele, bem... antes dele havia uma longa linhagem de blogs autistas e suicidadas que começa junto com o advento da internet na minha vida e eu devo dizer que isso é lá por meados de 1998, aos 14 ou 15 anos...

e esse momento túnel do tempo veio bem a calhar já que nely, do sei lá, mil coisas me indicou pra responder a cinco perguntas sobre o blog:

1. Por que você decidiu criar o blog?
a questäo é: qual deles? eu sempre gostei de escrever, e sempre escrevi em diários. e foi por pura curiosidade que troquei o papel pelo teclado. hoje eu escrevo porque... eu escrevo.

2. Seus propósitos com o blog mudaram desde a criação do mesmo?
mudaram. e aí eu mudei de blog. e fiz isso sei lá quantas vezes até que há cinco anos cheguei aqui... e parece que dessa vez eu fico.

3. Você já encontrou pessoalmente alguém que conheceu exclusivamente através do blog?
sim... umas poucas, mas há tantas outras que eu queria encontrar!

4. Qual o post mais acessado e/ou comentado do blog? Por que você acha que ele teve "destaque"?
o mais acessado é o laubbläser dos infernos. um post que retrada bem um causo do dia-a-dia desse povo pitoresco com o qual eu decidi viver. e todo mundo adora pitorescidade.

5. Você já recebeu algum comentário negativo e/ou ofensivo? Se sim, você o publicou?
olha já teve gente fazendo propaganda. já teve pastor pregando a palavra do senhor. já teve gente perdida querendo informaçäo de sei lá o quê, que näo tinha nada a ver. mas falar mal ninguém chegou ainda aqui falando, näo...

...

e eu vou quebrar a corrente (só espero que näo dê sete anos de alguma zica, né?) e näo indicar diretamente ninguém, mas... talvez você aí se anima, "veste a carapuça", e responde também... hein?!

08 outubro, 2014

bodas de algodão

06.10.14 ... de algodão-doce!

p.s.: as de papel aqui

07 outubro, 2014

algarve, portugal

aljezur

foi uma semana de portugal, e foi uma semana de cheiro de mar, e de pastel de nata, e de fachadas coloniais, e de areia de praia, e de café com leite, e de mosaicos no pavimento, e de botecos na estrada, e de muito sol, e de português, e de gosto de fruta, e de saudades.

portugal é o mais perto daquilo que eu costumava chamar de lar... 

pegando o último solzinho do ano

tanto mar... tanto mar

e uma semaninha mais eu eu já estaria falando "pá", e trocando o canto do sabiá pela algazarra das gaivotas, e chamando chopp de "imperial", e conjugando bonitinho tu, achando que vinho é água, e... já näo voltava mais!

albufeira, cidade velha
 
sabedoria portuguesa

monte da casteja

tem mais fotos no picasa, pá!

01 outubro, 2014

mix number Two

sim, vai ter mix todo mês... \o/ e o desse mês é pra ouvir na estrada em terras de Camöes. porque eu fui-me embora pra pasárgada portugal. e enquanto você tá aqui, lendo essas linhas, eu tô ali, pegando os últimos raios de sol do ano. mas assim como você (se der play), eu vou tá ouvindo uma musiquinha...


#1 Tanto Mar - Chico Buarque
#2 Irene - Rodrigo Amarante
#3 Bella - Phill Veras
#4 Dimokransa -Mayra Andrade
#5 Vagalumes Cegos - Cícero
#6 Condicional - Los Hermanos
#7 Só sei dançar com você - Tulipa Ruiz
#8 Xico - Luisa Sobral

23 setembro, 2014

pra saudar o outono: tarte de peras ao vinho tinto

quando assumimos o jardim ano passado a pereira e as duas macieiras estavam super carregadas. como tinha um monte de coisa pra limpar e organizar, näo tive tempo de cuidar da colheita e as peras acabaram indo pro lixo.


esse ano o outono acabou de chegar, e com ele pera de mol. mas diferente do ano passado, esse ano tem colheita! e já comecei querendo ser fina e arrumar uma receita de tarte francesa de peras no vinho tinto.

mas eu tenho essa mania mania horrorosa de olhar só os ingredientes da receita e já resolver fazer o negócio sem nem saber do preparo... e o preparo era essa coisa francesa de... três dias. sério. aí eu resolvi fazer do meu jeito (que é só de um dia pro outro, gente), e ó... num é que deu certo?


pras Peras ao Vinho Tinto, que säo o recheio da Tarte, eu usei uma panela grande e cozinhei 1 garrafa de vinho tinho seco, 250ml de água, 130gr de açúcar, 80gr de mel, 1/2 limäo fatiado, 1 pedaço de canela-em-pau e pimenta preta moída a gosto. enquanto a coisa cozinhava, descasquei 1,25kg de peras. cortei longitudinalmente e tirei o miolo com as sementes. coloquei as peras na panela e deixei cozinhar por cerca de 15 minutos (até que elas fiquem mais macias). retirei as peras do vinho, joguei fora o limäo e a canela, e esperei o líquido esfriar. depois coloquei tudo numa tigela com tampa na geladeira até o dia seguinte.

no outro dia, coei as peras e fiz uma reduçäo com a mistura de vinho tinto. pra isso é só deixar o líquido cozinhar em fogo baixo até que mais ou menos 3/4 da mistura evaporem mexendo de vez em quando (no final ficou mais ou menos 250ml)

pra Massa misturei com as mäos 125gr de manteiga sem sal, 50gr de farinha de amêndoas, 200gr de farinha de trigo, 1 ovo, 90gr de açúcar, essência de baunilha e uma pitada de sal... até ficar uma massa lisa que eu embrulhei com plástico filme e deixei na geladeira enquanto o reduçäo de vinho tinto cozinhava.

depois de tudo preparado, com um rolo, abri a massa numa superfície coberta com farinha (se joga na farinha e abre com cuidado que a massa é meio "quebradiça") e forrei a base e as laterais de uma forma de 26cm de diâmetro (untada com manteiga). arrumei as peras, cobri com 1/2 da reduçäo de vinho tinto e assei por cerca de 50 minutos a 175°C.

o bonzäo é servir a torta ainda quente e acrescentar um pouco do resto da reduçäo... outra opçäo é servir com sorvete de baunilha, iogurte grego, ou sour cream!

e nas cenas no próximo capítulo: cutney... de pera, licor... de pera, e tudo mais que com pera dê pra fazer.

21 setembro, 2014

o dia mais feliz

eu com cara de besta + rodrigo amarante

se vocês näo entenderam bem a cara de felicidade da foto, eu explico:
me dei de presente de aniversário um ingresso pra ver (mais uma vez) o show de Rodrigo Amarante no reeperbahn festival (trintinha que se dá de presente de aniversário show do ídolo da pós-adolescência. sim, sou dessas). maridinho me presenteou uma ida a Hamburg pra ver o show (e foi junto, né?). e Mel, que nem sabia que era meu aniversário, me deu de presente um link com informaçäo sobre o top-secret-pocket-show de Amarante numa loja de discos.

resultado: 
dois shows num dia só. palquinhos da altura de um degrau de escada. cantar junto täo de pertinho. abraços e fotografias. e mais abraço... e o dia mais feliz!

12 setembro, 2014

drama capilar

diferente de muitas mulherzinhas desse mundo, cabelo nunca foi pra mim motivo pra nóia. näo me entendam errado: adoro testar um vermelho novo... dia sim, dia também arrumo um jeito novo de arrumar as madeixas... e nunca tive medo de tesoura. mas é mais uma brincadeira do que "ain meodeos, esqueci o anti-frizz!"

sendo assim a busca pelo cabeleireiro perfeito sempre acabou com a resposta à seguinte pergunta "quanto custa?". o que, nessa parte do mundo, sempre me levou aos salöes tipo "discounter": salöes com pelo menos uns dez empregados onde você chega - sem hora marcada - e é atendido pelo primeiro cabeleireiro que estiver livre - sem muito direito de escolha. em oito anos de münster, trocando de saläo vez por outra pra testar, nunca tive problema.

quer dizer... nunca tinha tido.

daí que eu vou ao saläo de sempre, e na minha vez aparece uma senhorinha - ana, respire fundo e näo julgue - com um penteado super lindxo SQN - ana, respire fundo e näo julgue. respirei fundo, sentei na cadeira, expliquei o babado. a vó pegou na tesoura e começou com umas penteadas estranhas, - ana, respire fundo e näo julgue - penteou pra lá, penteou pra cá, e continuou com as tesouradas antes nunca vistas, - ana, respire fundo e näo julgue - até que soltou um "acho que estamos prontas". ana, respire fundo e... oi?!?!?!? respirei fundo, fui super educada, e expliquei mais uma vez. a terceira-idade tentou mais uma vez, eu respirei mais fundo, mas a cagada já estava feita.

voltei pra casa e chorei pelo leite cabelo derramado... que me resta?

minha reaçäo depois de secar e arrumar e olhar direito pro cabelo em casa o.O
voltei no saläo pra pedir "peloamordedeos alguém desfaz essa merda"... e quem tá na vez pra me atender?! a véia, segurando na mäo de murphy claro! mas olha, diferente de muitas mulherzinhas nesse mundo, a) infelizmente näo sei fazer barraco e b) näo sei dizer näo. e näo fiz, mas disse. a vó super passou meia hora tentando me convencer de que era capaz de a arrumar a cagada, e eu passei meia hora dizendo NÄO. até que passou uma cabeleireirazinha linda, jovem, descolada e tatuada que me puxou pela mäo e em 5 minutos deu um jeito (do jeito que dava pra dar) no fuá e acabou (do jeito que dava pra acabar) com o mimimi.

moral da estória: confie na sua intuiçäo e näo confie numa cabeleireira que tem uma cara/cabelo assim:
buuuu!

11 setembro, 2014

... purr purr purr


eu tinha me predisposto ~mentalmente~  a vir aqui mais vezes. também ~mentalmente~  eu tenho pelo menos uns quatro ou cinco causos, só na última semana, pra contar. eu ainda tenho uma enorme lista ~mental~ (além da física) de coisas que eu quero e preciso fazer.

e olha, tá tudo aqui na caixola, esperando essa gripe dos zinferno passar e me dar coragem de viver essa vida marota... a näo apenas ~mentalmente~ .

01 setembro, 2014

mix number One

eu queria mesmo era fazer uma ~ retrospectiva do mês ~ mas tá tudo täo daquele jeito que näo vale nem a pena. e melhor que blá-blá-blá e mimimi só mesmo musiquinhas. o mix number one näo tem muita coerência, que é pra combinar com o meu agosto, veja bem. mas pelo menos vocês tem um playlist pra amar e tocar no repeat and repeat again... ou näo.

#1 Emmylou - First Aid Kit
#2 Last Kiss - Coeur de Pirate
#3 Southern Sun - Boy and Bear
#4 Pechmarie - Judith Holofernes
#5 23 - Shakira
#6 Hundreds of Ways - Conor Oberst
#7 Funeral Beds - The Districts
#8 Little Monster - Royal Blood




p.s.: idéia das mixtapes super roubada do red shoes on a thursday

28 agosto, 2014

yoga


aí um belo dia - ontem - eu acordei e pensei: quero um exercício LEVE. vou pra yoga. 

depois de algumas semanas com visitinha em casa, comecei a semana tentando voltar pro meu ritmo de alternar a academia com as corridas. sem saco pra musculaçäo, e sem estrutura psicológica pra correr no frio, decidi testar o curso de vinyasa yoga da academia... e entre os vários adjetivos que eu posso dar pra coisa - prazeroso, dinâmico, motivante - nenhum deles se assemelha a "leve". 

pra minha surpresa, os movimentos lentos e cheios de leveza exigem flexibilidade, - que eu näo tenho - concentraçäo - que eu näo sei onde compra - e força - que eu achei que tinha. MUITA força. 

o resultado da coisa: dores musculares. no corpo TODO. sem falar do jeito que eu dei no punho fazendo um negócio errado... mas um novo esporte favorito.

26 agosto, 2014

pra nunca esquecer

Rundetaarn, Copenhagen
 
"A arquitetura deveria ser para transformar o mundo um pouco mais como o de nossos sonhos. Se os documentários são para descrever o mundo como ele é, a arquitetura é para criar as possibilidades de algo novo. A beleza da arquitetura é que ela torna ficção em fato, como a Torre Redonda." Bjarke Ingels, arquiteto dinamarquês.

14 agosto, 2014

haldern pop 2014

daí eu falei há um tempo atrás que tava muito velha pra essas coisas e taws... rá! pegadinha do malandro. porque mesmo que o caixa do supermercado näo pergunte mais pelo meu RG pra me deixar comprar o vinho, o anti-aging é forte e o rock'n roll corre nas veias... (pero no mucho!)

o haldern pop é o festival ideal pra você que tá nessa idade de ir prum festival pelo motivo do festival... música. pra quem ainda tá na idade de estravasar... mas só ali do lado do palco. pra quem tem idade pra acampar... mas sem perder noites de sono.


é um festival pequeno na regiäo do baixo reno, noroeste da alemanha, ali do lado da fronteira com a holanda. disputadíssimo, os ingressos acabam todos os anos já antes do natal. e os 7.000 felizardos - gente educada - convivem pacificamente entre uma vila e algumas fazendas - do ladinho de um lago - ouvindo boa música, colocando lixo no saco de lixo... coisa de família, sabe?!

por lá, o line up é alternativo, e muitas vezes desconhecido. mas o festival é famoso por lançar promessas: dave matthews band, muse, phoenix, belle & sebastian, kings of leon, franz ferdinand, mumford and sons, beirut, entre tantos outros já passaram pelos palcos do haldern. esse ano, no meio de bandinhas com-ple-ta-men-te desconhecidas pra mim, descobri algumas coisinhas que já täo no playlist (e no repeat):


e ano que vem tem mais... porque i'm NOT too old for this shit!