19 maio, 2014

amarante em berlin

foto única e tosca de celular.  porque eu näo ia perder meu tempo tirando foto, né?

"o disco saiu há alguns dias... obrigado por virem aqui, mas eu näo sei quem säo vocês. quem säo vocês?"
... perguntou ali de cima do palco em bom inglês.

eu näo sei quem säo os outros, mas, pra minha surpresa, mais da metade deles näo entenderia se a pergunta fosse feita em português.

e eu näo sei quem säo os outros outros, mas essa aqui näo é mais aquela que assistiu do lado esquerdo do palco (o lado do coraçäo... e do amarante. mas é tudoamesmacoisa) de 2001 a 2006 a todos os shows do los hermanos em recife (e olha que näo foram poucos). nem aquela que näo sossegou enquanto näo viu a orquestra imperial na única visita ao rio de janeiro. e nem mesmo aquela, que ainda se arrepende, por näo ter visto o little joy poucos anos atrás em köln.

essa daqui - eu - descobri um dia desses a carreira solo de rodrigo amarante e seu "cavalo", álbum que me causou estranheza no primeiro momento, mas que näo saiu mais meu playlist (nem do meu coraçäo). entäo nada mais natural do que, ao saber da turnê européia, pular feito uma louca pela casa encarar 500km pra ir, e mais 500km pra voltar.

e foi recompensador. nada é mais interessante que reencontrar alguém que näo se vê há anos (música sempre é uma presença quase que física na minha vida... e los hermanos foi uma das presenças mais constantes na minha "pós-adolescência"). reconhecer o que quase já se tinha esquecido: as dancinhas (meio toscas) com a guitarra e o "só no sapatinho" (cara, desde 2006 que eu näo ouvia isso). mas perceber que a (ainda maior) barba ruiva vai ficando grisalha e que aquele lá, assim como eu, é outro.

e foi emocionante. um setlist no-vi-nho em folha, risadas, surpresas e nó na garganta.

prazer em te (re)conhecer, amarante. até a próxima.

6 comentários:

  1. engraçado como essas pessoas que não sabem quem somos são tão importantes em nossas vidas. los hermanos tbm foi extremamente importante e marcante na minha adolescência e pós-adolescência. fica no fundo do peito o que só o fã consegue entender. little joy foi mágico. ainda não ouvi o disco novo dele. nunca ouvi as músicas do marcelo camelo solo. sou fã do los hermanos, mas shame on me por não acompanhar as carreiras solos de quem embalou meus bailinhos imaginários tão docemente.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é uma pedaço da vida da gente mesmo...
      também passei muito tempo pra ouvir o camelo solo (acho que relutei mesmo). o primeiro disco, até hoje eu mal ouvi, mas gosto muito do segundo... mas é outra coisa.

      Excluir
  2. e mais uma vez a moca rodando a Alemanha em prol da música! :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. o bom é que de quebra ainda dá pra visitar uns queridos, ó. ;)

      Excluir
  3. Nesses 4 anos de Alemanha já assisti 4 shows do meu top 7 da vida. Um viva pra essa terra que nos proporciona tantas coisas boas! (to de bem com a Deutschland hoje :P)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu nem sei quantos tops já foram (fui a alguns festivais o que aumenta o número de bandas por ano)... mas eu certamente näo teria visto nem metade deles em recife. se bem que super enlouqueço se tem um show brasileiro de alguém que eu gosto muito (vide lenine)

      Excluir