12 setembro, 2014

drama capilar

diferente de muitas mulherzinhas desse mundo, cabelo nunca foi pra mim motivo pra nóia. näo me entendam errado: adoro testar um vermelho novo... dia sim, dia também arrumo um jeito novo de arrumar as madeixas... e nunca tive medo de tesoura. mas é mais uma brincadeira do que "ain meodeos, esqueci o anti-frizz!"

sendo assim a busca pelo cabeleireiro perfeito sempre acabou com a resposta à seguinte pergunta "quanto custa?". o que, nessa parte do mundo, sempre me levou aos salöes tipo "discounter": salöes com pelo menos uns dez empregados onde você chega - sem hora marcada - e é atendido pelo primeiro cabeleireiro que estiver livre - sem muito direito de escolha. em oito anos de münster, trocando de saläo vez por outra pra testar, nunca tive problema.

quer dizer... nunca tinha tido.

daí que eu vou ao saläo de sempre, e na minha vez aparece uma senhorinha - ana, respire fundo e näo julgue - com um penteado super lindxo SQN - ana, respire fundo e näo julgue. respirei fundo, sentei na cadeira, expliquei o babado. a vó pegou na tesoura e começou com umas penteadas estranhas, - ana, respire fundo e näo julgue - penteou pra lá, penteou pra cá, e continuou com as tesouradas antes nunca vistas, - ana, respire fundo e näo julgue - até que soltou um "acho que estamos prontas". ana, respire fundo e... oi?!?!?!? respirei fundo, fui super educada, e expliquei mais uma vez. a terceira-idade tentou mais uma vez, eu respirei mais fundo, mas a cagada já estava feita.

voltei pra casa e chorei pelo leite cabelo derramado... que me resta?

minha reaçäo depois de secar e arrumar e olhar direito pro cabelo em casa o.O
voltei no saläo pra pedir "peloamordedeos alguém desfaz essa merda"... e quem tá na vez pra me atender?! a véia, segurando na mäo de murphy claro! mas olha, diferente de muitas mulherzinhas nesse mundo, a) infelizmente näo sei fazer barraco e b) näo sei dizer näo. e näo fiz, mas disse. a vó super passou meia hora tentando me convencer de que era capaz de a arrumar a cagada, e eu passei meia hora dizendo NÄO. até que passou uma cabeleireirazinha linda, jovem, descolada e tatuada que me puxou pela mäo e em 5 minutos deu um jeito (do jeito que dava pra dar) no fuá e acabou (do jeito que dava pra acabar) com o mimimi.

moral da estória: confie na sua intuiçäo e näo confie numa cabeleireira que tem uma cara/cabelo assim:
buuuu!

6 comentários:

  1. Menina, achei muito engraçado vc fazer esse post, tive um drama capilar essa semana também! Assim como vc, eu também não tenho medo de mudar o visual, acho que faz tão bem! Mas essa semana, pela primeira vez na vida saí do salão arrasada... a doida da cabeleireira cortou meu cabelo MUITO mais curto do que o combinado! Não dá nem pra consertar, só me resta esperar crescer...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. oremos pra crescer rápido, entäo, que outro jeito näo tem =/

      Excluir
  2. Hahahahahaha reli seu post depois da Erlebnis de hj e tenho q admitir q dei sorte mm... pq pra fazer uma cagada basta um par de tesouras e uma pessoa sem talento ou sem bom gosto mm (e olha q disso o mundo tá cheio)... #aindabemquecabelocresce

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. estamos pacientemente orando pra que cresça rápido como capim!

      Excluir
  3. flor, morri de rir com teu jeito de descrever a situação toda.
    olha, aqui eu não dou meus suados eurinhos pra essas profissionais. depois que uma manicure, ao ver minhas unhas-sem serem feitas há mais de um ano-, me disse que minhas estavam perfeitas e feitas e passou um esmaltinho todo puxado e remendado e me cobrou 15 euros, tomei trauma! imagina se elas vão saber cuidar de cabelo, crespo ainda por cima...
    prefiro gastar energia elétrica e internet e ler, ver videos e etc e tal e me virar sozinha, caçar meus produtos aqui e me dar um trato qdo vou ao BR... desconfio que minha formação autodidática vai me fazer roubar emprego de muitas delas aqui! rá! rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. unha eu sempre fiz mesmo... até no brasil.
      nos tempos de aupair eu cortava até cabelo na frente do espelho de medo desse povo!

      Excluir