21 junho, 2017

orange blossom special festival

orange blossom special 2017 - nothing this beautiful

é difícil ter uma vida online com o veräo que tá fazendo lá fora. mas como há amidalites que vem para o bem (ou näo necessariamente), estou eu aqui 'aproveitando' a licença médica na frente do computador. fazer o que?

mas. foco. orange blossom special festival.

acampamento no weser . palquinho . melhor barraca do festival

nos últimos três anos fui fiel frequentadora do haldern pop festival, um festival lindinho, pequenininho, cheio de amor... mas isso eu já contei uma vez ou outra por aqui. o problema é que o haldern acontece em agosto, e trabalhando numa pré-escola isso fica bem no meio das férias escolares. ou seja. é haldern ou viajar. ou seja. num rola.

e foi assim que esse ano eu fui parar no orange blossom festival. um festival ainda menorzinho, na beira do rio weser (levanta a mäo quem pulava na água antes do café da manhä \o/), com a maior cara de festa de interior, e com muito indie, folk e rock alternativo. ou seja, alternativa perfeita.

e dos 25 shows, esse foi meu top 5  (em ordem cronológica):

Louis Berry


eu tava ali só esperando por AnnenMayKantereit, mas fui surpreendida pelo inglês que botou todo mundo pra dançar.


AnnenMayKantereit


é a minha banda alemä preferida no momento. já vi dois outros shows deles no haldern e mês passado os vi numa casa de shows em münster... mas essa foi de longe a melhor apresentaçäo deles.

Teksti-TV 666


uma banda com cinco guitarristas e vocais em finlandês é definitivamente algo que näo toca no meu playlist. mas ao vivo a coisa ganha outra cor... o show foi incrível! e o pé d'água que näo parou de cair, botou todo mundo pra dançar na lama.

The Dead South


foram o 'surprise act' desse ano. um show que tá na programaçäo, mas a banda é surpresa. os canadenses encheram o gramado no domingo às 11h da manhä (!), e eu que näo os conhecia apaixonei e trouxe dois lps da banda pra casa. já tá no repeat do meu playlist.

Faber


uma das poucas atraçöes de língua alemä do festival... fui ver, né?! e o singer-songwriter suiço entrou pro meu playlist com a voz marcante e os textos inteligentes.

e passado o trauma dos festivais... ano que vem tem mais!

06 junho, 2017

porto, portugal

(pra ouvir enquanto se lê: salvador sobral, amar pelos dois)

estou completamente apaixonada por portugal.
se da primeira vez foi encanto, agora é amor mesmo. muito.
a língua gostosa, as fachadas, os temperos... o mar. portugal é como estar em casa, mas com um filtro mais bonito, sabe?!

e contando rapidinho... foi assim:

#1: afife. voamos de düsseldorf pro porto. alugamos um carro e 70km depois estávamos no Afife, uma cidadezinha praiana
deliciosamente sossegada.

#2: praia de afife. a paisagem é idílica: um riachinho vai desaguar no mar. ainda assim a praia näo é muito badalada.
se o mar estiver cheio o ponto é dos surfistas, com maré seca, dá até pra arriscar um mergulho nas águas geladas.

#3: parque nacional peneda-gerês. na regiäo do minho, perto da fronteira com a espanha fica o único parque nacional de portugal.
saímos de 'caldas do gerês' e trilhamos os 10km da 'trilha dos currais'. näo se enganem que a distância é pouca,
mas a subida é muita. a trilha é bem marcada, pouco visitada e o visual é lindo.

#4: viana do castelo. é a cidadezinha mais perto de afife.
as fachadas do centro säo encantadoras.

#5: o porto. a cidade inteira é patrimônio histórico da unesco. sentiu o coraçäo arquitetônico da menina escorrendo pelos olhos?!
#6: rio douro. foram 4 dias flanando pela cidade. o ritmo foi desacelerado já que o porto näo é só pra ver.
é pra experimentar cada pedacinho.

#7: rio douro: falando em experimentar... nunca comi e bebi täo bem nessa minha vida. (e gastando täo pouco!)

#8: foz do douro: onde o rio encontra o mar.

#9: degustaçäo de vinhos do porto. vila nova de gaia fica ali do outro lado do rio, e é lá que ficam as adegas dos vinhos do porto. essa é a croft.

... e tem mais lá no google.